CENA TV: Os lançamentos audiovisuais da semana da nossa cena independente que você não pode perder



Não para, não! A segunda edição dessa coluna que vos fala segue contemplando alguns lançamentos audiovisuais dos nossos artistas, expoentes da cena independente que têm elaborado seus trabalhos apesar de todas as limitações que a pandemia tem trazido. O artista segue presente e a arte segue salvando: um caloroso salve para todos os que ainda fazem e colaboram para que o movimento aconteça.


Hoje o balanço visual fica por conta de Fernanda Vital e Deep Leaks, VITA, Floresthá e Carolino. Vambora!



Love and Caos, de Fernanda Vital (MG) & Deep Leaks (SP)

Na última quarta-feira, dia 23, foi ao ar o clipe da faixa “Love and Caos”, single da artista Fernanda Vital e Deep Leaks. O embalo ganhou efeitos nostálgicos da época das TVs de tubo e traz para a cena o que a composição sonora já provocava.


O clipe abraça os devaneios caseiros e engaja na interação da artista com a própria sala, com seu som, seu feeling, seu gato e a tv-companhia, de onde Deep Leaks responde em imagem e performance com os instrumentos.


É inevitável não sentir uma aura mtv-anos-2000-alguma-coisa no conjunto da obra: o combo de letra, melodia e roteiro de viagem particular entre amor e caos atiçam a memória midiática dos anos do badalado canal. Tem uma nuance lisérgica que repousa delicada nos detalhes: a caneca azul de chá brilhoso, o felino dando o seu melhor blasé para as câmeras enquanto assiste a tudo, as projeções em travessia de volume e cor, o ruído na tela.


Para acompanhar a batida da faixa, a edição e efeitos visuais ficaram por conta da Olívia Franco, maga das produções na Moviola Mídia Livre. A captação das filmagens, como ditam as regras do isolamento, foram feitas nas respectivas casas pelos próprios artistas.


Teto Azul, de Floresthá (SP)

Tabuleiro aberto, proposta no ar: produzir um material a partir das ideias de composição vindas do público. O recado é simples: “eu me refaço como um pássaro de fogo - eu ainda tô no jogo”.


Floresthá lança o clipe e single "Teto Azul" num casamento de potências eletrônicas com a noção teatral refletida na música. A artista, que é produtora cultural há mais de 10 anos, tem longa trajetória com criação artística que envolve os conhecimentos musicais, cênicos e circenses. Sua perspectiva assimila a ambientação da fantasia, se vestindo por inteira do propósito imaginativo e inventivo da arte sem regras.


O som explora diversas camadas e isso é transposto na produção visual, onde a artista se entrega às possibilidades de peso experimental com o corpo, o figurino, a cenografia e a síntese da melodia. É ocupando lugares de livre descoberta que a artista apresenta seu mundo, repleto de uma identidade própria que abraça o encontro do teatro com a música.

A produção é assinada pela artista Floresthá e Aloander Oliveira.



Rua dos Jades, de Carolino (MG) (session/lançamento exclusivo)


Uma jam boa no quintal, quem dá mais? Numa série de lançamento de cinco vídeos feitas numa session, Carolino dá uma provinha gostosa pra ninguém botar defeito.

Gravação realizada no estúdio Casa Verde, em Uberlândia (MG), o músico e compositor se posiciona junto a Lukas Simon (guitarra), Lucas Paiva (baixo) e Vini Shark (bateria) numa take única para tocar algumas faixas de seu álbum, Carolino. O resultado não decepciona: a experiência de um ao vivo em casa é real. Não tem falta de público nem clima de festa cheia que entre na frente. A produção de vídeo é da Graviola Comunicação & Mídia.


Em “Rua dos Jades”, a temperatura sobe e desce. Dá para perceber a importância de cada um que está presente nos instrumentos, fazendo o pacote completo sobressair exatamente pelas partes individuais. A guitarra no timbre, o guia a tiracolo do violão, a viagem com tempo bem marcado do baixo e a beleza pura da bateria, que quebra tudo na medida e ainda remete uns repentes para um arrasta-pé quente e no jeito.


Não deixem de checar os outros vídeos da série, que podem ser conferidos na página do Instagram do artista. Uma session astral assim a gente precisa e agradece.


Incapaz, de VITA (SP)


É tênue a linha para sofisticadamente colocar em cena as fragilidades que se guarda. No fim das contas, que formato tem nossos receios, nossos limites? Qual a cara que eles podem ter?


VITA marcou a estreia de seu novo trabalho solo com o lançamento do clipe de “Incapaz”. A faixa encerra o EP 1967, que pode ser conferido na íntegra pelo Bandcamp. Aqui, o artista entrega um momento de mergulho e reflexão para explorar nossas amarras diante das coisas e a tomada de um tempo próprio para sentir a vibração da vida.


Num filme em preto e branco, a produção, assinada pelo músico paulista com captação de Guga Loures, não peca nos excessos nem na falta. Somos levados a andar por aí por entre cenários-metáfora que regam os frutos de onde, como e quando encaramos nossas incapacidades, e o que acabamos por fluir apesar delas.


Num gracioso ritmo cênico, o filme engrandece o canto, as cordas do violão e a mira precisa de uma auto-imersão. Existe o trago que pensa longe, os olhos fixos na câmera, atingindo o próprio olhar quem assiste do outro lado da tela. Sofisticação para entrar numa conversa em outro tom, sabe como é? A cena (quase final) do artista sendo rodeado por uma lente investigadora, que desnuda a partir da sombra de luz, evoca algo a mais perdido nas palavras e definições. É o instante antes do silêncio que uma reflexão de peso pede: é o respiro necessário de um pensamento em combustão.