#COLUNAS/ ENTRENÓS ENTREVISTA: Gabriel Thomaz

Há alguns anos, a cena independente do Triângulo Mineiro borbulha pelo calendário cultural da região. Um lançamento de um EP, a gravação de um disco, a aliança entre a música e a arte em um vinil ou a simples ocupação do espaço público para fazer um som. Montar uma banda é o nó que entrelaça gente de tudo e qualquer tipo, ritmo e ambição. Entre tantas idas e vindas, Uberlândia sempre esteve na rota de uma espécie rara de dinossauros do rock independente brasileiro. Talvez a principal delas atenda pelo nome de Gabriel Thomaz.

Gabriel Thomaz esteve em Uberlândia durante o último Festival Timbre (Foto: BurnAsh!)

Festival Timbre

Estivemos com o líder da banda Autoramas durante sua última passagem pela cidade do Triângulo, quando participou de um show da banda mineira Don Dillinger na quarta edição do Festival Timbre. Apesar de colecionar diversos momentos pela região, essa foi a primeira vez em que Gabriel Thomaz se apresentou no evento. Uma oportunidade que, para ele, sempre carrega uma sensação especial.

"Ouço falar do festival há anos e o Gabriel (Caixeta) é alguém que sabe fazer esse tipo de evento. É animal poder tocar neste palco, agora com uma participação no show da Don Dillinger, que é uma banda que tenho uma amizade enorme e que certamente faremos novos projetos juntos", antecipou.

Com mais de 50 horas de música, mais de 20 mil pessoas se deslocaram até o estacionamento do Teatro Municipal de Uberlândia para acompanhar os shows de bandas nacionais e do cenário local, como Cachalote Fuzz, Lava Divers, Canábicos, Udischool, Light Strucks e Project Black Pantera. Uma diversidade que, para o artista de Brasília (DF), escancara a multiplicidade da cena independente no Triângulo Mineiro.

Foto: BurnAsh!

Receita de sucesso na cena independente?

A relação de Gabriel Thomaz com o cenário independente se intensificou com a banda "Little Quail and the Mad Birds", considerada um tesouro escondido na capital federal. Ao todo, foram dois álbuns e um EP produzido numa época em que ser 'independente' ainda era tratado como amador. Em 1998, criou a Autoramas após se mudar para o Rio de Janeiro. Dali, passou a ser considerado "um dos maiores talentos do rock brasileiro", como disse certa feita o produtor Carlos Eduardo Miranda.

Hoje, com quase 20 anos de estrada como líder da Autoramas, Gabriel Thomaz reforça uma orientação para quem busca pela receita de sucesso no meio independente.

"Poderia falar sobre muitas coisas da minha experiência, mas cada um tem que seguir seu caminho e entender como funcionam as coisas para cada artista. Tento sempre falar para serem pessoas legais, gente finas e trabalharem bastante, seja produzindo música, ensaiando e buscando qualidade, isso é primordial. Mas cada um tem a sua história e acho que se tiverem a sensibilidade de entender que aquilo que irão fazer irá para frente, basta seguir esse caminho", disse.