Chelo Lion & Big Bull: 20 anos de amizade e o novo split EP. #TáNoAr

July 2, 2020

 

Um dos maiores mineiros de todos os tempos, disse uma das suas canções, que o "lado esquerdo do peito, é pra guardar as amizades, mesmo que o tempo e a distancia digam não". Com essas e outras palavras, mais uma vez, nosso Milton "Bituca" Nascimento nos emocionou com "Canção da América" e outros hinos em sua primeira live oficial neste domingo (28). QQuem perdeu a experiência ao vivo ainda pode encontrar o show na íntegra nos espaços virtuais do cantor. Mas é sobre a trajetória da amizade de outros mineiros que falaremos aqui hoje;

 

Chelo Lion & Big Bull são daqueles amigos que só dá conta de unir como é. Cresceram juntos em Uberlândia (MG), compartilharam as mesmas influencias sonoras, e após isso, seus primeiros sons. Primeira vez que os vi foi no extinto Festival Jambolada () com a conhecida Dead Smurfs, onde quebravam o palco na época. Quem viu aquele trio ao vivo sabe bem do que estou falando. Se não, temos um registro aqui ó:

 

 

Até o Danislau Tb (Porcas Borboletas) entrou na roda nesse dia. Chelo diz antes de começar a faixa "a gente não, a gente é livre". Que momento do esporte, não é mesmo? Notem que a faixa "Wellington" foi gravada com Chelo já entrando no baixo do Porcas, no álbum homônimo, sete anos depois desta edição do Jambolada. 

 

Após quase 15 anos do fim do Dead Smurfs, os amigos já tiveram inúmeros projetos e se reencontram em um novo lançamento da Cena Cerrado Discos - o split EP "Chelo Lion and His Yellow Fingers (VS) Big Bull and His Selfish Band". O lançamento aconteceu na quinta feira passada (25/06) com live especial. O mateiral está disponível em todas as plataformas de streaming.

 

 

 Bati um papo com esses dois sobre o lançamento e algumas outras coisas, confira a entrevista abaixo:

 

 Olá Chelo e Big Bull. Última vez que todos nos encontramos, foi no grande garajão, palco de grandes afters da nossa cidade, em uma das visitas do Big Bull após sua mudança. Era um cenário bem diferente de hoje em dia. Como tem sido a relação de vocês com o momento de quarentena?

 

Chelo Lion: Pô, não lembro desse dia do garajão, mas deve ter sido doido. Realmente as festas no garajão representam o oposto do que estamos passando. Acho que esse momento é delicado, é importante que todos fiquem em casa o máximo que puderem. Eu estou ficando em casa, e pra não ficar (mais) doido, to aproveitando o tempo pra ler, compor, lançar material, acabei de lançar esse split com o Big Bull, também vou lançar material com minhas outras bandas (Waldi & Redson e Light Strucks), fazendo alguma aparições em lives também, tentando preencher a cabeça e aguardando as coisas melhorarem.

 

Big Bull: Ahuuupaa... No começo foi bem complicado, afetou diretamente meus planos do ano assim como no mundo todo, eu estava com turnê marcada no Brasil e Europa até novembro e tive que cancelar. Por outro lado tive a chance de fazer algo que queria já ha algum tempo, que era passar um tempo na roça, trabalhando na terra, construindo, aprendendo bastante, compondo novas músicas e planejar o ano que vem.

 

Quem cresceu em volta dos festivais do triangulo sabe que essa parceria é antiga, contem pra gente um pouco dessa história, que acompanho desde a época de Dead Smurfs & Festival Jambolada.

 

Big Bull: Eiiita é uma longa história, vou tentar dar uma resumida. Começamos o Dead Smurfs em 2000 com um propósito de fazer um Hard Core escrachado. Nessa época não existia lugar pra que pudéssemos tocar, então nós começamos a organizar nossos próprios eventos, o principal deles foi o Barulho na Praça que começou sendo organizado basicamente por nós, Huxley e FMI, onde cada banda levava uma parte do equipamento pra uma praça da cidade e o pau quebrava. Em 2003 eu e o Jão (guitarrista) entramos na UFU no curso de Ciências Sociais, nesse período já tínhamos várias musicas e começamos a fazer vários shows na UFU e em Uberlândia, mas como éramos jovens, inexperiente e naquela época gravar um disco era bem mais difícil e caro portanto demandava um certo planejamento que nós não tínhamos, conhecemos o Ale que já havia sido produtor do Porcas Borboletas e decidiu nos ajudar, e com a ajuda dele lançamos nosso primeiro disco em 2005. No mesmo ano ele e o Talles, produtor do Porcas Borboletas na época, estavam começando o Festival Jambolada em Uberlândia e a ABRAFIN (Associação Brasileira de Festivais Independentes) juntamente com outros produtores de outras cidades fora do eixo Rio/Sp, a partir dai começou a haver o intercâmbio entre as bandas dessas cidades que tocavam nesses festivais, então começamos a trabalhar e a rodar por esses festivais e o resto é história...

 

Chelo Lion: É uma parceria de uns 20 anos capaz... Tivemos nossa primeira banda autoral juntos, o Dead Smurfs, banda que levou a gente pros primeiros shows fora de Uberlândia e de Minas Gerais. Foi uma época bem massa e importante. Um dos produtores do Festival Jambolada era o Alessandro Carvalho, que era também produtor dos Dead Smurfs. Então lançamos nosso primeiro full album no primeiro Festival Jambolada em 2005, já tínhamos uma demo tosqueira gravada uns anos trás. Esse festival é muito importante pra mim e fico feliz em lembrar que toquei em todas as edições do festival, não só com o Dead Smurfs. E desde quando o Dead Smurfs acabou naturalmente, a gente vem azucrinando com mil bandas e agora até com "carreira" solo!

 

Chelo Lion lançou o primeiro trabalho com o Cena Cerrado a pouco tempo, e agora quem estreia é Big Bull. Como voces veem o momento da cena do triangulo mineiro hoje em dia? E o que mudou desde o começo dos anos 2000?

 

Big Bull: Bom, me mudei do Triângulo em 2015, mas sempre tento na medida do possível acompanhar mesmo que de longe oque esta acontecendo por aqui e fico realmente feliz com o tanto que a região tem produzido nesses últimos anos. Muitos novos artistas, novas bandas, muito trabalho autoral de qualidade sendo lançado, novos festivais, novas casas de show. Mesmo com esse cenário político desastroso que estamos vivendo nos últimos anos no Brasil, onde oque ja era difícil pelo pouco incentivo, agora é quase impossível, a cena sempre esta em movimento, sempre esta surgindo algo novo. A diferença que eu vejo de hoje para o início dos anos 2000 é a facilidade e a acessibilidade a tudo que envolve a música, desde o começo da produção da música, na aquisição de um instrumento ou equipamento de qualidade, acessibilidade a uma gravação que hoje pode ser feito até pelo celular, a divulgação, o consumo, a venda. Isso proporcionou uma maior quantidade de bandas e música de qualidade na região a chance maior de uma banda independente alcançar um maior público, consequentemente mais lugar pra tocar, mais festivais etc. Só alegria :)

 

Chelo Lion: A cena tá fervendo. Se eu já achava que tinha bandas boas no ano 2000 em Uberlândia, agora em 2020 o pau tá quebrando! Espero que pós pandemia o povo tenha compreendido a importância da arte, e que apareçam mais casas de cultura e oportunidades pra todo mundo girar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Big Bull and His Selfish Band & Chelo Lion and His Yellow Fingers na live que fizeram na semana passada, na sede da Captain Brew (Uberlândia)

 

 

Big Bull mudou pra Europa a algum tempo e já trabalhou com algumas bandas por lá, do mesmo jeito que Chelo Lion tem vários projetos aqui no Brasil. Como é se encontrar como monobandas nesse Split EP? Falem um pouco mais sobre o trabalho.

 

Chelo Lion: Como diz meu amigo Roger da monobanda Xtreme Blues Dog: "Todos serão monobandas um dia!" hahaha. É sensacional fazer esse encontro como monobandas, lançar o split e também acabamos de voltar de uma turnê de vários shows pelo Brasa. Estamos plantando esse novo trampo nosso e divulgando essa cultura "one man band" ao mesmo tempo. Quanto ao lançamento do split, infelizmente estamos em uma pandemia, se não estaríamos em tour nesse momento.

 

Big Bull: Porra bicho, é um prazer inenarrável lançar esse split com o Chelo que é meu amigo ha mais de 20 anos e a quase 20 anos do lançamento da nossa primeira demo do Dead Smurfs, que foi nosso primeiro material lançado. Nós sempre acompanhamos o trabalho de monobandas e sempre conversamos sobre a nossa vontade de fazermos esse tipo de trabalho, daí no ano passado eu comecei com esse projeto na Europa e ele começou o dele aqui, de repente estávamos os dois lançando nosso primeiro EP quase que simultaneamente e agora lançar o segundo juntos é sensacional!

 

Pra terminar, vamos dar uma de Abujamra, outro dos maiores brasileiros de todos. Chelo Lion, Big Bull: o que é a vida? Aproveitem também pra mandar um abraço pra quem quiser, e falar sobre as coisas que não perguntei pra vocês. Falem o que quiser!

 

Chelo Lion: A vida é loca, Arthur Abu. Um abraço em todo mundo que tá fazendo o máximo pra ficar em casa e colaborando para o fim da pandemia. Fora Bolsonaro! Viva a cannabis medicinal e recreativa também!

 

Big Bull: A vida é um baile, quando damos um escorregão é por que aquele ritmo não é compatível com nosso suingue, mais quando bate o ritmo com nosso suingue, aí a dança flui que é uma beleza e segue o baile! (risos). Gostaria de mandar um abraço para meus amigos e familiares de Uberlândia e região, para Comunidade Rural Caipora que me receberam de braços abertos nessa quarentena, para meu amigo Neritumba que me deu uma forçassa na pós produção das minhas musicas que estão no Split, aos demais envolvidos no Split, Gordon Rise, Felipin Porão Estúdio e Rogerin (Xtreme Blues Dog), a você e o Cena Cerrado que vem fazendo um trabalho fantástico na cena underground do Triângulo Mineiro e região e um abraço mais que especial para meu amigo e irmão de longa data Marcelo Pereira Martins, mais conhecido como Chelo Lion. E pra finalizar ja que estamos falando da vida gostaria de parafrasear um pedaço de uma musica dos meus idolos Milionário e José Rico  "Vou levando a vida/ E a vida me levando/ Nunca tive preconceito/ Fazer o bem, sei que é direito/ E assim vou levando a vida". Muito obrigado por tudo e até a próxima, zuuummm...

 

Ouça no Spotify e em todas as plataformas o Split da dupla:

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload