“Deixa a alma perdida”: Carolino (MG) lança novo single com Au Revoir

Composição do artista convida a refletir sobre liberdade e mudança




Quem é que desenha o roteiro do porvir?

Dentre os passos já dados nunca antes previstos aos tropeços confiantes que nos mantém andando, o corpo segue rumo a sei-lá-o-quê pra um não-sei-onde. Traiçoeira é a língua que promete saber para onde está indo. E como. Mapa do horizonte, talvez, é a farta miragem do desejo de chegar.

Mais um single de lançamento para aquecer o peito para um álbum que está a caminho! Carolino (MG) traz “Au Revoir” para nossa degustação lírica e sonora quanto às bordas finas e ilusórias da liberdade.


O projeto Carolino começou com Guilherme Carolino, mineiro que se fez nômade durante muitos anos de intensa andança. Guilherme é natural de Patos de Minas e tem rodado pelo Brasil pesquisando música e tecendo acerca de técnicas de composição. Nas cidades em que vinha passando, ia se apresentando em bares e restaurantes.


A voz e o violão de Carolino foram elaborados no tempo de suas idas e vindas, absorvendo referências de trejeitos e sons por onde quer que passasse. “Au Revoir” foi concebida e composta pelo artista num bar em Paracuru, no Ceará, e tem corpo de um diálogo consigo mesmo, daqueles que a gente se perde no próprio trânsito de pensar.


“De onde é que vem o que será?”, entoa em um dos versos. De onde é mesmo? Alguém arrisca? O single traz a possibilidade de flertar com a latente perplexidade de ser e seguir sendo, vindo de tom em tom abrir a necessidade de ir se moldando enquanto se é moldado pelas entrelinhas do caminho.



A construção sonora carrega inspiração do chão do nordeste, do que ouviu e viu Guilherme. O terceiro single do artista dança num cenário seco e etéreo, vasto na vibração das ondulantes cordas da faixa.

A cena do pano de fundo me vem inevitavelmente: uma dança a dois em meio a um vento de poeira e céu azul brilhante; uma dança sem receio e sem vergonha. Baile com um par que o vendaval leva, e só resta as ondas de um som que te faz andar.


A faixa, que também tem trechos em francês, constrói roteiro por trás dos olhos de quem a ouve. Roteiro com um pé no real e outro no sonho. A presença de uma esperança sutil acompanha “Au Revoir” do começo ao fim, borrando os limites do que se vê e do que repousa em potência onírica. Entre pintar realidade e imaginação, qual nome carregamos? A vida que se sonha e a vida que se vive: onde fica o limite que as separa?


Carolino revela que um dos principais personagens da música é a água, presença onipresente que se manifesta nas pausas do conceito de um fluxo que sempre se altera enquanto segue seu caminho. “Au Revoir” vai se esculpindo no seu decorrer como o elemento que homenageia.

Forto por Cleo Theodora / Divulgação

O projeto Carolino foi formado em 2018 em Florianópolis com nomes experientes na sua composição grupal. Mauro e Samuel Fontoura (na guitarra e bateria respectivamente), além de membros de Carolino, já lançaram quatro álbuns com a incansável Muñoz, banda de heavy blues dos irmãos. Chico Abreu, no contrabaixo de Carolino, também é produtor e já passou pela licenciatura em Música pela UDESC, em Florianópolis. Como baixista também faz parte dos Skrotes, Los Desterros e Mandale Mecha. A arte da capa de “Au Revoir” ficou por conta de Cléo Theodora.

Os timbres autorais de “Au Revoir” trazem uma nostalgia atual. Os singles batem o chão para a vinda do primeiro disco do projeto Carolino, que terá dez faixas inéditas.

A inspiração do todo vem muito das vivências dos integrantes e das trajetórias de Guilherme pelo país. O álbum, segundo o próprio Carolino, pretende alcançar um público diverso de modo a incentivar a cultura e levar para onde for retratos sonoros da música popular brasileira.


Conheça agora o novo single de Carolino, “Au Revoir”: