#COLUNAS/FICHA TÉCNICA: Futebol ou cinema, cadê o filme da minha vida?

August 23, 2017

23 minutos. Lembro que esse foi o tempo que uma barragem de mineradora precisou para se transformar num mar de lama pelo Rio Doce e devastar tudo que viu no caminho. Foi ainda o bastante para uma van atropelar uma multidão em Barcelona, e um carro avançar contra pessoas num ponto de ônibus em Marselha, na França. É também o suficiente para dizimar gente por sua cor de pele nos Estados Unidos, e para um jovem negro ser assassinado no Brasil. Extermínio que, no futebol, encontra na segurança e na organização o pano de fundo para isolar uma legião que por anos cultivou a inclusão.

 

"O Filme da Minha Vida", de Selton Mello (Divulgação Vitrine Filmes)

 

 

Acordei com a notícia de que todas as empresas responsáveis pelo desastre de Mariana foram absolvidas. Estava Bárbara e eu à procura de um cinema para assistir "O Filme da Minha Vida", de autoria de Selton Mello, em Uberlândia, quando fomos surpreendidos com a informação de que a trama não estaria em cartaz até então pela cidade. Diante disso, pesquisamos outras opções e a saudade da meia entrada apertou ao depararmos com o valor de 20 reais. O bilhete, no entanto, é irrisório se o programa fosse uma partida de futebol da primeira divisão. Cofre quebrado, bolsos revirados e a carteira revistada feito imigração em busca de um trocado a mais. E olha que o espetáculo nem é tão garantido assim. 

 

Saudoso João Saldanha, jornalista e ex-técnico da seleção brasileira, dizia que "O futebol é um ramo da arte popular".   Todavia, a cada bilheteria aberta, o esporte do povo deixa mais de ser dele. Somente para o segundo jogo da semifinal da Copa do Brasil no Maracanã, o Flamengo cobra até R$ 150 para os torcedores do Botafogo que quiserem acompanhar o time de perto. O valor é 275% maior que o praticado pela diretoria botafoguense para os flamenguistas na primeira partida no estádio Nilton Santos. Ora, medidas como essa apenas excluem ainda mais o velho torcedor e estimulam a rivalidade e violência fora dos gramados.

 

"O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia", dizia o saudoso "tricolor saudável" Millor Fernandes. Mesmo com os preços abusivos, os times conseguem manter a boa média de público. Quem pagou de R$ 45 a R$ 160 para ir ao Alianz Parque no último domingo, viu o Palmeiras ser batido pela Chapecoense, que vinha de goleada na Espanha para o Barcelona e derrota para o Urawa Red, no Japão. O torcedor é sempre o mais penalizado e, apenas quando o amor não é correspondido, que a voz do povo é lembrada nas arquibancadas. Enquanto o Flamengo cobra até R$ 360 na Ilha do Urubu, o América-MG e o Internacional alavancam a média de público e lucram na bilheteria com valores de R$ 10 a R$ 20 na Série B.

 

Por sinal, o Inter foi um dos primeiros gaúchos a abrir espaço para negros e operários. Quem recebe o benefício social do governo ou tenha renda de no máximo dois salários mínimos, paga um plano de R$ 10 mensal e, pela mesma quantia, garante presença em cada jogo do time de coração. Assim, o clube rema contra a corrente e recupera sua história de origem popular, enquanto o ingresso brasileiro se credencia como um dos mais caros do mundo. Um preço de show do Raça Negra, SPC, Molejo e Revelação juntos, em uma arquibancada monopolizada pela cor branca, comportada feito teatro num estádio padrão Fifa, e reconstruído por trabalhadores silenciados por credenciais que mais parecem muros sociais. De fato, como preferiria um cinema com "O Filme da Minha Vida" em cartaz.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload